Escrevendo mais e melhor

Ler e escrever bastante sempre fez parte da minha vida, muito antes de ter um blog. Na faculdade de odonto a carga horária era pesadíssima – eram cerca de 9 h por dia entre aulas teóricas e práticas, mais o período de estudos em casa e na biblioteca. Nessa época fui obrigada a adotar um método eficiente de coleta de dados e anotações, de modo que tudo pudesse ser recuperável da maneira mais prática quando necessário. Mais tarde, fiz aperfeiçoamentos, uma especialização e cursei comunicação, e, graças ao fato de eu ter um método, sempre desenvolvi bem todas essas atividades.

Não importa o método. O importante é que você o adote, crie o hábito e seja fiel a ele. Pode ser papel, gravação de áudio, anotações eletrônicas ou mapas-mentais. Ou um pouco de cada.

Estou blogando desde 2002, mas agora nessa nova fase, nunca tive que escrever tanto. Além dos posts no blog (minha meta são 4 ou 5 por semana), tenho as revistas, a rádio, a TV, as colunas e posts em outros sites como convidada. Curiosamente, nunca sofri do “mal da tela branca” que os escritores tanto falam, aquela espécie de bloqueio criativo que é um terror na vida dos produtores de conhecimento.

Não sou um gênio ou um ser iluminado. Ao contrário do que muitos dizem, acho que a nossa criatividade também precisa de alguns métodos para que seja dominada e multiplicada. Não acredito que ter a mente livre, leve e solta, sozinha, seja capaz de mantê-la funcionando sempre e bem.

Minha facilidade de escrever também não é nenhuma bênção dos céus. Escrever bem é uma prática que pode ser desenvolvida por qualquer um. O primeiro passo é ler muito, e não se ater apenas a temas técnicos ou ligados ao seu trabalho. Sempre li bastante, desde pequena, e não só em português, graças ao estímulo constante dos meus pais. Na escola, eu era aquela menininha sempre vista saindo e entrando da biblioteca, e, como minha saúde era frágil, eu passava boa parte do inverno de cama, sempre com pilhas de livros na cabeceira. Mas a boa notícia é que, mesmo para quem não desenvolveu o hábito da leitura na infância, nunca é tarde para se começar.

Hoje muitas categorias profissionais dependem do trabalho de escrever como uma rotina: além de escritores, jornalistas e articulistas, temos professores, graduandos e pós-graduandos, cientistas e a nova safra de blogueiros que vivem só disso. Para essa gente, o famigerado “bloqueio” é um terrível inimigo da produtividade.

Nokia E75

Dicas e ferramentas

Eu também dependo muito de escrever hoje em dia, mas, ao contrário de passar pela situação de encarar a tela do monitor em branco, sempre tenho assunto e pautas para desenvolver, graças à adoção de um método que eu chamaria de “gerenciamento de idéias”. Vou compartilhá-las com vocês, para que cada um possa adaptar ao seu próprio método e obter mais eficiência:

– Não deixar as idéias fugirem. Toda e qualquer idéia eu anoto, por mais boba que seja. Tenho um bloquinho de papel na minha carteira, outro na sala ao lado da TV, mais um ao lado do telefone e, por fim, na cabeceira da cama. Como gosto de ler antes de dormir, não é raro ocorrerem idéias nesse momento ou às vezes, até no meio da noite. Anoto tudo e jogo esses pedaços de papel no meu inbox físico. Ao fazer minha revisão semanal, passo-as para o Evernote, de onde as desenvolvo.

– Quando meu dispositivo móvel está à mão, anoto diretamente nele e salvo no Evernote. Mas não dá para contar com isso sempre, a rapidez em muitos casos é extremamente importante.

– Smartphone mais teclado bluetooth é tudo de bom. Já escrevi posts inteiros e até artigos no saguão do aeroporto, em lanchonetes aguardando o almoço, reuniões chatas, ou quando estou no carro no banco do carona. Nem vou levar em consideração o que produzo durante viagens de ônibus ou avião. Como falei antes para vocês, não me adaptei aos netbooks, de forma que estou bem mais feliz e segura sabendo que há um tecladinho dobrável num canto da bolsa.

– Quem usa netbooks ou pretende comprar um para deixar sempre à mão na mochila, preste atenção em outras coisas além de tamanho, peso, tela e teclado. O Mobo White, da Positivo, por exemplo, tem uma fonte enorme e desjeitada, que é capaz de tomar tanto lugar na mochila quanto o próprio netbook. Uma chatice para viajantes e profissionais móveis.

– Quando não há teclado bluetooth nem netbook à disposição, teclados QWERTY já ajudam bastante numa emergência. Tenho um amigo que, num momento de desespero, escreveu um trabalho de faculdade todinho num teclado alfanumérico comum, em um N95… nem consigo imaginar como ele conseguiu.

– Apesar de ser uma moça hi-tech, eu ainda uso bastante o papel convencional, principalmente para fazer mind-maps e esboços de projetos. Adotei os cadernos Moleskine para isso, tenho vários, principalmente sem pauta. Um deles está sempre dentro da minha bolsa. A escolha pelos (caros) Moleskines não é frescura: você pode dobrar à vontade que as folhas não soltam, o papel não desbota e, por ser acid-free, eles não se desmancham com os anos. Por isso essa marca foi a favorita de escritores e poetas ao longo dos séculos. Quando olho para meus adorados cadernos da época da faculdade, sofrendo os efeitos do tempo, dá vontade de chorar. Também choro ao ver alguns cadernos com meus cartoons e redações, feitos há 20 anos ou mais, se desmanchando como pergaminhos…

– Quando vocês vêem minhas resenhas de produtos ou serviços no blog, revistas ou TV, saibam que elas não nasceram depois de horas martelando o teclado do computador. Desde o momento das instalações, impressões iniciais e eventuais erros, tudo é anotado num mapa mental. O mapa mental vai ganhando corpo à medida que as semanas vão passando e eu adiciono mais observações. Trato tudo com muito cuidado e precisão. Ao fim dos testes, eu sento para escrever os artigos, e cada um não leva mais que meia hora. Com o mapa mental na minha frente, basta desenvolver as anotações!

– O tempo é curto e os artigos a produzir são muitos. O jeito é otimizar também o processo de escrita. Para isso, uso muito os atalhos de teclado ao invés do mouse e aciono o Spotlight (command + espaço) para carregar programas mais rápido no meu Mac. Também sei onde tudo está sem apelar para buscas, e tenho todo meu material de pesquisa vinculado ao meu trabalho atual – uso as notas do Omnifocus para material complementar, links e referência. Outra ferramenta que não abro mão é o TextExpander, para gastar menos tempo ainda digitando coisas repetitivas. Ali estão links, frases, expressões, nomes próprios, endereços e telefones, que uso também para agilizar as toneladas de emails que preciso responder semanalmente (imagem abaixo). Para quem usa Windows, a dica é o Texter.

textexpander

– Boa parte dos meus mapas mentais ainda são feitos no papel, porque são rápidos. Mas quando estou trabalhando com calma, uso o MindMeister (via web ou iPhone).

– Nunca falta assunto para o blog. Todas as idéias que me ocorrem são anotadas, e as dicas e pedidos dos leitores também são, numa pasta de email específica. Nada é perdido, ou melhor: é encontrado em poucos segundos.

– Retrabalho é horrível. Ou pior, é burrice. O tempo é um bem precioso demais para ser gasto assim. Inclusive relendo emails ou newsletters. Aprenda a processar seus emails, organize-os e mantenha a caixa de entrada sempre vazia.

– Agregue suas notas em um só lugar. No meu caso, é o inbox físico para tudo o que for de papel e o Evernote para o que for digital. Ao processar o inbox físico, o conteúdo dele vai para o lixo, o armário ou o Evernote.

– De nada adianta anotar tudo se você não conseguir recuperar depois. Cuidado com notas que ficam espalhadas em cadernos, na agenda, no computador, no smartphone… você pode acabar anotando coisas que nunca mais acessará, porque não conseguirá achar. Como eu queria que minhas anotações na época da faculdade tivessem busca automática e tags… já aconteceu de você ficar folheando alguma coisa por um bom tempo, exasperado, sem achar o que queria?

– Áudio pode ser um grande aliado. Eu tenho até hoje o gravador e algumas fitas cassete que usava na faculdade para gravar certas aulas. Só que, novamente, fico me imaginando como conseguia achar informações naquele amontoado de fitas. Mais uma vez, viva nossos gravadores digitais, as tags, as buscas e o Evernote!

Auto-desenvolvimento

Tomar notas é, mais do que um ato de registro, um exercício para a mente. Psicólogos dizem que estudantes que fazem anotações em aulas e palestras recuperam muito mais informações-chave que aqueles que não fazem. E, o que é mais surpreendente, o bom desempenho escolar e no trabalho, o raciocínio e a capacidade analítica dos estudantes e profissionais provêm mais do ato de resumir, avaliar e organizar do que das notas em si.

Todo mundo agora tem um bom motivo para adotar um método de “gerenciamento de idéias”, não?

Salvar/Compartilhar

23 Comments

  • Em 2009.11.30 09:40, Jussara disse:

    Olá Bia! Adorei o seu post! Estou numa fase de desenvolver uma metodologia de gerenciamento de tudo aquilo que escrevo. Você tem indicação de bibliografia? Ah, ADOREI a indicação do TextExpander. É uma mão na roda!
    Abração e tudo de bom pra você

    • […] This post was mentioned on Twitter by Alessandro Martins, RodrigoAndradePádua. RodrigoAndradePádua said: > @alessandro_m: Dicas para escrever mais e melhor http://migre.me/cU8t […]

      • Em 2009.11.30 10:54, uberVU - social comments disse:

        Social comments and analytics for this post…

        This post was mentioned on Twitter by Alessandro_M: Dicas para escrever mais e melhor http://migre.me/cU8t

        • Em 2009.11.30 11:42, Marco Carvalho disse:

          O Texter era o que eu precisava. Valeu!

          • Em 2009.11.30 12:12, Wellington Peixoto disse:

            O comentário é meio piegas, mas é uma verdade… Você é sensacional. Sou seu fã desde os bons tempos dos velhos Palms(OS). Tenho um filha de 12 anos a quem incentivo muito a leitura, sendo eu mesmo um leitor compulsivo. Já Twittei este post e estou guardando para discutir com minha filha! Tudo de bom prá você!

            • Em 2009.12.01 01:22, Advogada Online disse:

              Wellington, eu ia escrever exatamente isso! Risos.
              A Bia parece escrever sempre o que a gente ‘precisa’ ler.
              Obrigada, Bia, continue o bom trabalho. Sou apenas elogios! Sucesso sempre!

            • Em 2009.11.30 20:22, Leandro Fiore disse:

              Essa de não deixar as idéias fugirem é um bocado difícil para mim que tenho TDAH (tenho mais idéias do que consigo escrever e lembrar depois). Mas vou tentar seguir essas dicas para ficar mais organizado. Valeu, Bia.

              • […] Escrevendo mais e melhor – Dicas da garota sem fio, Bia Kunze […]

                • Em 2009.12.01 17:10, Emanuel Campos disse:

                  Excelente texto Bia, didático e instrutivo, muito bom. Eu sofro com os famosos brancos, mas minha forma sazional de escrita sem dúvida tem algo à ver com isso… Parabéns mais uma vez!

                  • Em 2009.12.01 17:45, Atech Enfim disse:

                    Muito útil o post. Descobri utilitários que vão facilitar muito minha vida. Aproveitando o ensejo, e se você Bia, permitir, gostaria de divulgar meu recém-criado blog, mais ou menos com os mesmos objetivos do seu: http://www.atech-enfim.blogspot.com/. Se infringir suas regras, pode apagar.

                    • Em 2009.12.01 19:07, Milton Toshiba disse:

                      Eu dígito muito mais rápido num teclado com T9 do que o qwerty. Até hoje cato milho nos pcs

                      • Em 2009.12.01 23:34, Lucas_Ogami disse:

                        Nossa… to sem palavras.
                        O que vc dispos faz todo o sentido eh obvio. Sabe, algo que meio que jah fazia, mas agora farei por completo…

                        Eu disse obvio, mas nao foi pra diminuir não heimXD… Aprendi uma coisa esse semestre muito bacana, chama-se o “principio da Yuca”.

                        Yuca(nao se sei a grafia correta) é uma arvore, um tipo de arvore, o cara que sakou esse principio tinha ganhado de natal um livro que catalogava arvores, e uma em especial, a yuca, chamou a atenção dele, ele a avaliou de cabo a rabo e comentou consigo mesmo q na regiao onde ele morava, nao nascia aquele tipo de arvore… Assim que ele olha pela janela se depara com uma, em frente a sua casa tem mais duas… o quarteirão só tinha yuca’s.

                        O ponto é, precizamos dar nomes, apontar, para tornarmos a informação util… foi mais ou menos o que vc falou no post, e meu ponto é, é necessario apontarmos esses apontamentos…(meu deus isso ficou confuso)

                        Eh isso aeXD
                        Prometo no proximo nao confudir tantoXx

                        • Em 2009.12.02 18:04, Escrevendo mais e melhor « ViveraVida disse:
                          • Em 2009.12.04 11:18, Eduardo disse:

                            Fantástico o Texter, mas eu estou tendo um problema, será que é só comigo? Quando digito aspas simples por exemplo, ele duplica. Ele se perde um pouco, não sei o motivo.

                            Mais alguém passou por isso?

                            • Em 2009.12.04 19:18, Menina Digital disse:

                              Como faz bem aos olhos ler um post tão bem escrito e formulado!=) Seus textos sempre me chamam a atenção, de como consegue se expressar bem, como se realmente estivesse em nossa frente, ao vivo. Tudo fruto dos seus anos de leitura, estudo e preparo! Só me resta mais uma vez dá os Parabéns!
                              Continue nos agraciando com seus textos!!=))

                              • […] Escrevendo mais e melhor – Dicas de organização da garota sem fio para quem quer escrever mais e melhor. […]

                                • Em 2010.03.10 22:53, Carcarah disse:

                                  Excelente texto. Realmente escrever não é uma tarefa amena, é uma batalha de pensamentos e sentimentos que, mesmo gerando prazer, causa um certo desconforto. Pricipalmente quando, tendo algo que queremos expressar, não conseguimos achar a maneira certa de expressar isso. Mas escrever é mais que prazer, é uma necessidade, não é? Nada é mais gratificante que ver um texto produzido por você e dizer a si mesmo: “É isso!”. Obrigado por compartilhar sua vivência na escrita, coisa que você faz tão bem, e obrigado pelas dicas muito boas. Posso ser sincero? Pelo que disse sobre os netbooks, acho que o Ipad vai fisgar você. Logo surgirão soluções para apoiá-lo de forma adequada de forma a usar um teclado e sei que você, mais que qualquer outra pessoa, estará atenta a isso. Grande abraço.

                                  • Em 2010.03.10 23:09, Tassos Lycurgo disse:

                                    Uma boa postagem mesmo.
                                    Parabéns!
                                    TL

                                    • Em 2010.03.10 23:27, rodrigottr disse:

                                      Gostei muito!

                                      Eu também uso um método de gerenciamento de ideias muito parecido. Pra mim é smartphone com qwerty e caneta, pois papel é um luxo. Uso alguns bloquinhos de anotações mas se não tenho nenhum à mão escrevo em algum recibo de visaelectron que eu sempre guardo na carteira ou na mão ou no braço.

                                      Tento concentrar tudo no qwerty e enviar as notas para o meu gmail, onde tenho uma label com o nome “Notas” que é onde agrego tudo.

                                      Os mapas mentais acabam tendo que ficar em papel mesmo, mas por enquanto ainda não vi nenhum problema nisso. De vez em quando eu tiro foto dos papeis. Foto mesmo com câmera digita. Fica melhor do que se imagina.

                                      No fim deste mês pretendo colocar no ar meu blog sobre estratégia empresarial. Vou falar muito das empresas de eletrônicos!

                                      Aguarde!
                                      Parabéns!

                                      • Em 2010.03.10 23:48, MartinsPF disse:

                                        Bia, ajeita o endereço do Mindmeister, vc colocou http://www.mindmeiser.com e não https://www.mindmeister.com.

                                        Valioso post. Acabo de ter minha tese elogiada pelo modo como foi escrita, mas acabo de reiniciar um blog e aqui na internet não tem saído nada bom, quase um bloqueio, medo da nudez online talvez, sei lá…
                                        Ler o que vc escreve e receber tua ajuda é muito bacana. Talvez o que esteja faltando para mim é o “gerenciamento de idéias.

                                        Uso o evernote e adorei o Texter. Obrigado.

                                        • Em 2010.03.11 02:58, Gustavo disse:

                                          Como outros já disseram, texto bem escrito é outra coisa!

                                          Ajudando no post, o link do Mind Meister está errado! Faltou o T ali!

                                          • Em 2010.03.11 11:38, Elson (McGuyver) disse:

                                            Mais uma vez parabéns pelo excelente post!!! 😉
                                            Graças à ele vou voltar à utilizar o Evernote (que estava esquecido aqui) e vou tentar me entender com o MindMeister, pois preciso aprender à utilizar os Mapas Mentais, coisa que ainda não aprendi direito.

                                            Abraços

                                            • Em 2010.03.11 19:54, Bia Kunze disse:

                                              O link do MindMeister foi corrigido no post. Obrigada pelo aviso.

                                              Desenvolvido por Agência WX