História estranha: o novo DDD 010 para São Paulo

A Anatel abrirá consulta pública a respeito da possibilidade de se adicionar mais dois dígitos aos números de celulares da grande São Paulo. Motivo: o grande crescimento na quantidade de linhas está esgotando as combinações possíveis para telefones móveis.

A proposta da agência seria o uso obrigatório do DDD 011 para os atuais celulares, e os novos números habilitados ganhariam um novo código de área, o DDD 010.

Ou seja, todos que moram na grande São Paulo terão que digitar o DDD 011 ou 010 para fazer ligações, ainda que sejam locais. Não haverá mudança na tarifação.

Nem preciso dizer que a confusão estará armada, né?

A proposta prevê ainda o acréscimo de um dígito nos telefones de todo o Brasil ao longo do tempo, conforme a evolução da demanda.

Fiquei um pouco com a pulga atrás da orelha com essa história e fiz umas continhas. Considerando que atualmente os números de telefones celulares de São Paulo (011) podem começar com 9, 8 7 ou 6, teríamos 40 milhões de combinações possíveis.

Pesquisando no site da Anatel, atualmente há 26 milhões de linhas ativas com o DDD 011.

Resta saber o número total de linhas inativas, que obviamente são as responsáveis pelo esgotamento de combinações.

Não está na hora das operadoras fazerem uma “faxina” nas linhas inativas, para liberar os números? Achei essa história de DDD 010 o fim da picada.

P.S.: A proposta sob consulta estará disponível por 45 dias no Sistema de Acompanhamento de Consulta Pública da Agência no portal da Anatel na internet a partir de amanhã, 18 de maio de 2010.

Posts relacionados

Salvar/Compartilhar

25 Comentários

  • Em 2010.05.17 17:55, Liu disse:

    Tenho certeza que a culpa disso é o estoque de chips e a venda casada de celular com chip novo. Eu mesma já comprei 2 celulares novos que vieram com chip com novo número que eu nem cheguei a descartar da cartela.

    • Em 2010.05.19 13:33, Fabiano disse:

      Eu também ainda tenho um chip na cartela. Bem lembrado!

    • Em 2010.05.17 17:55, Marcelo disse:

      Seria menos confuso se criassem o DDD 010 apenas para celulares, que poderiam começar com qualquer dígito, não apenas 6,7,8 e 9. Os números atuais migrariam para o novo DDD.

      • Em 2010.05.19 08:04, Thiago Sousa disse:

        O problema é que acho que o sistema reconhece pra onde você ta ligando a partir do primeiro dígito…

      • Em 2010.05.17 17:57, Salun Marvin disse:

        Mesmo que limpem as linhas inativas, futuramente teremos de acrescentar um digito nos números.
        Não sei se o 010 seria a melhor opção, mas tem de ser feito, ou hoje, ou daqui uns anos.

        • Em 2010.05.17 18:03, Jaboatão disse:

          Tecnicamente falando, o 010 é inviável. Agora, a história dos dois dígitos a mais no número é quente.

          • Em 2010.05.19 08:08, Thiago Sousa disse:

            Como assim inviável se é isso mesmo que estão pensando em fazer?

          • Em 2010.05.17 18:13, Raphael Simon disse:

            O problema é que aqui sempre começa errado… Na minha opinião, não devia ser misturado numeração fixa com numeração móvel no mesmo código de área. Em resumo: já, desde o surgimento da telefonia móvel, deveria ser alocado sob o DDD 010, por exemplo, a rede móvel, e seguisse no 011 a fixa.

            • Em 2010.05.17 18:28, Leonardo disse:

              Olá,Não sei como são tratadas as linash fixas, mas já trabalhei numa operadora de celular. As linhas inativas são reencaminhadas para venda depois de 180 dias, logo estarão inativas apenas as linhas habilitadas dentro desse período. Mas essa história de fazer os atuais clientes discarem o ddd me parece, no mínimo, sacanagem!!!

              • Em 2010.05.19 08:03, Thiago Sousa disse:

                A unica diferença será o número, obiviamente não será cobrada como ligação DDD.

              • Em 2010.05.17 20:40, Rodrigo Esteves disse:

                Isso me lembra um episódio de simpsons da 12º temp. (Um conto de duas springfields), quando Homer divide a cidade porque não consegue ligar paras as pessoas com código de área diferente, pois a cidade não tinha mais número…

                Mais na realidade vai ser bem confuso, as vezes eu apanho para ligar para uma pessoa que tem um telefone de um estado e está em um terceiro estado.

                • Em 2010.05.17 22:52, Tiago disse:

                  Bia.. eu trabalho para empresas de telecom e entendi um pouco mais do atual problema.

                  Todas as operadoras grandes tem política de reaproveitamento de número, mas as regulamentações da Anatel exigem um período grande de quarentena (180 dias), este número não pode ser vendido novamente, pois se o “dono” antigo do número quiser reativar, ele pode, pelo menos na lei.

                  Adicione a isto a portabilidade numérica com desconexão posterior, neste caso o número fica em quarentena por 90 dias na operadora antiga, mais 90 na “dona” do numero.

                  Além disto existem alguns “bugs” no reaproveitamento de número que faz alguns números cairem no limbo…isto acontece mesmo, ainda mais em empresas que tem como base operacional um legado sistêmico gigante das estatais (Vivo por exemplo).

                  Não é fácil não…

                  • Em 2010.05.18 01:01, Ronald disse:

                    Bia, o grande problema é que mesmo limpando as contas inativas existe já uma preocupação com o futuro dessa demanda. Uma hora isso vai ter que ser feito, e quanto mais cedo melhor. Veja, por exemplo, o problema da implantação do iPV6, mas é necessário.
                    O que concordo com você é que a alternativa apresentada me parece estar no TOP 10 das menos indicadas, por ser extremamente confusa para os usuários. Enfim, a consulta pública está ai, vamos comentar.

                    • Em 2010.05.18 09:02, Jonatas disse:

                      Bia, em Buenos Aires já é assim, quase metade da população do país vive na grande Buenos Aires e assim faltam números na região.

                      • Em 2010.05.18 09:49, Mauricio Junior disse:

                        Bia, realmente uma história confusa! Está correta quando diz que as operadores precisam dar uma faxina dos números inativos. Parabéns pelo post.

                        • Em 2010.05.18 12:55, Frederico disse:

                          Não entendo qual é o problema com isso…
                          As pessoas vão ter trabalho para atualizar agendas e tudo, mas isso é normal. Em alguns paises vc precisa digitar o ddd para qualquer ligação, de qualquer jeito.

                          • Em 2010.05.18 14:57, Seiti disse:

                            Para mim não irá fazer diferença. Já faz um tempo que não memorizo número nenhum. É questão de atualizar a agenda do celular/google etc… Mas se apenas os números novos entrarem no novo DDD, nem isso.

                            Mais dor de cabeça foi o surgimento dos códigos de operadora.

                            • Em 2010.05.18 15:59, julio disse:

                              Pelo o que eu li (http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=22601&sid=8), seriam 37 milhões de combinações possíveis e se perdem alguns milhões(exemplo, números que começam com 90 podem ser confundidos com ligações a cobrar, nextel não entra, etc). A solução mais cara ficará para 2015 (um dígito a mais para celulares de todo o Brasil-custo 300 milhões) e a mais barata para SP até o final do ano (custaria 150 milhões). Ou seja, com ou sem “limpa” dos números inativos, o crescimento da utilização do SMP – celulares, modens, Ipads, rastreadores – e quem sabe novos aparelhos conectados – trarão a necessidade de mais números disponíveis. Sem contar o wimax, que precisaria de banda para poder operar no Brasil (não tem número de telefone, mas vai tirar banda de quem? tv? rádio?).
                              E o 010 seria direcionado para os modens 3g preferencialmente. Aí sim, pouco afetaria nosso dia-a-dia.

                              • Em 2010.05.18 17:31, Sidney Costa disse:

                                Tinham que acabar com essa história de toda vez que compra um celular novo, vir um chip junto, mesmo comprando para uma linha antiga.

                                Este sistema pré-pago no Brasil, não tem controle nenhum, é o telefone do anonimato, nem o governo, nem as operadoras sabem que é o usuário de cada linha. Só serve para para facilitar a vida dos bandidos. Toda linha deveria gerar um tipo conta ou código de ativação, que seria enviado pelo correio mensalmente para um endereço residencial ou comercial. Caso o usuário deixasse de digitar o código durante 2 meses, a linha seria desativada.

                                • Em 2010.05.18 17:50, Fabio Póvoa disse:

                                  Concordo com o Frederico. Não vejo “confuso”, mas sim evolução em face à aumento de linhas e da população com celular. Isso não é um problema, mas uma característica.

                                  Nenhuma inativação de linhas não-utilizadas vai suprir o aumento da demanda. Em outros países, como por explo os EUA, o DDD já tem 3 dígitos, e não há necessariamente uma diferenciação de tarifação fixa ou cel, de modo que não é o prefixo que te informa qual lig. (e isso, do ponto de custo, será irrelevante se o custo for o mesmo).

                                  A tendência natural é que haja DDD de 3 dígitos (que hoje irá cobrir a base com folga), com custo igual para fixo e cel (e planos ilimitados, all you can eat), de modo que seja irrelevante divisão de fixos / cels (até pq, convenhamos, linhas fixas VÃO morrer).

                                  • Em 2010.05.29 12:42, Eduardo Henrique disse:

                                    O grande aumento na quantidade de linhas móveis se deu também pelo 3G e seus modens… servem apenas para internet, mas é um número móvel que está atrelado ao SIM card.

                                    O que deveria ser feito é a migração de TODOS os números exclusivos para dados 3G para o DDD 010 e ativar novos planos da dados somente neste DDD. Daria uma sobrevida para o 011 e manteria a coisa mais organizada. A tendência leva a prever que o móvel está cada vez mais substituindo o fixo, então seria atribuir mais prefixos aos poucos para os móveis.

                                    • Em 2010.06.01 15:14, Leandro Marino disse:

                                      Na realidade estamos pensando apenas em São Paulo.

                                      Acredito que nossa telefonia ainda tenha muito a se expandir.

                                      Talvez a melhor solução fosse segmentar o DDD. Poderiamos de fato a ter um codigo DDD de tres digitios.

                                      Assim, por exemplo:

                                      911 – seria ddd são paulo de celular
                                      921 – serie ddd rio de Janeiro de celular

                                      e dentro deste número poderiamos ter qualquer numero de celular independente de iniciar por 7,8, ou 9.

                                      Entretanto, isto esbarra em outros problemas como a tarifação de DDD. Como vão solucionar isto em são paulo? Todas as vezes que formos ligar para São Paulo usaremos DDD? Inclusive para ligações locais? Vai confundir muita gente…

                                      • Em 2010.06.03 17:52, João Alberto disse:

                                        Para saber de onde um prefixo de telefone, acesse http://www.dddtelefone.com.br. Basta informar o ddd e prefixo. Muito útil.

                                        Abraços!

                                        • Em 2010.06.07 16:01, Caio César disse:

                                          Impossível uma coisa dessas, vamos falar de um país extremamente populoso?

                                          China, é claro. Na China, os telefones em geral possuem 8 dígitos em cidades grandes e 7 em cidades menores (ou seja, algumas cidades de lá possuem uma faixa menor do que todas as cidades daqui, já que todos os nossos telefones possuem 8 dígitos atualmente, mesmo em cidades pequenas), telefones móveis possuem 11 dígitos. Porém, porém, porém, na China os números móveis funcionam assim: PPP-RRRR-NNNN. P = operadora, R = código de área e N = identifica o cliente junto à operadora.

                                          Os códigos de área em geral possuem dois ou três dígitos, já que o país é muito grande e possui muitas áreas.

                                          Não sei se a opção dos chineses por destacar a operadora nos números de telefones móveis pode estar relacionado com a quantidade de linhas, mas acredito que não deveriam faltar números aqui, não falta lá… o problema está nas nossas operadoras e na Anatel, é como o clássico caso do 0800. Acabou a faixa? Simples, faça como os EUA, 0801, 0802… qual o problema?

                                          E sobre os códigos de área, usar 010 deixaria as coisas estranhas. A solução do Leandro Mariano é interessante, mas eu acho que mexer no código de área assim não se justificaria, o melhor seria usar o nosso formato padrão e adicionar mais dígitos para os celulares, talvez no modelo chinês mesmo, mas com menos dígitos, já que temos portabilidade por aqui. Talvez dois dígitos já seriam suficientes e poderiam, ainda no embalo deixado pelo Leandro Marinho, abrir a possibilidade de independer os números de telefones móveis de um determinado formato (ou seja, começar apenas com 9, 8, 7 e 6).

                                          Por exemplo, se hoje existe:

                                          011 9999-9999

                                          No futuro poderia existir, assumindo que os dois dígitos iniciais seriam 99 e que iria diminuindo com o passar do tempo:

                                          011 99-9999-9999, 021 99-8888-8888, 019 99-7977-7777 etc.

                                          Se fosse possível migrar os números já existentes usando esse formato, ficaria ótimo e acabaria com os problemas da faixa NNNN-NNNN, que ficaria exclusiva aos números fixos. Poderiam os antigos ficar com o 99 (afinal, não ultrapassariam a faixa) e todos os novos, começariam em 98 e iria decrescendo.

                                          • Em 2010.07.15 18:05, Pitchula disse:

                                            Bom, parece tudo simples, coloca-se um código na frente e pronto. Estou achando isso tudo muuuito estranho, até porque se acrescentarmos mais um ou dois dígitos teremos um número muito maior de combinações do que colocarmos um código na frente. Para mim, isso é na verdade uma forma de futuramente cobrar pelo código diferente. Hoje é claro não será colocada essa situação, porque haveria revolta, mas depois de todos acostumados simplesmente eles diriam, os aparelhos com código 010 só fará ligação para código 010 gratuito e para o 011 será cobrado. Somente corrigindo o que foi colocado, pelo que ouvi o código 010 será o código de São Paulo capital e as demais cidades que utilizam 011 continuaram com 011, ou seja, estão querendo mesmo é separar as áreas para os celulares … muuuuuuuito estranho …

                                            Desenvolvido por Agência WX