Panorama de 2015 em mobile (e ranking dos apps que mais uso)

image

O ano está acabando. Fazer uma avaliação do que foi 2015 no mundo mobile é irresistível. Este foi um ano bem diferente dos anteriores, agitado e cheio de controvérsias.

Não dá para começar sem mencionar o WhatsApp. Campeão de popularidade e polêmicas, é usado por 100 milhões de brasileiros, segundo Mark Zuckerberg. Só para se ter uma ideia do volume de gente que hoje depende do app para se comunicar com família, amigos, colegas de trabalho e clientes, nossa população economicamente ativa é composta por 79 milhões de pessoas. E 140 milhões de pessoas (de dez anos de idade ou mais) possuem celular. Ou seja, o Whatsapp é, junto com o futebol, uma paixão nacional!

image

WhatsApp ajudou a encolher a base de pré-pagos

Houve um recuo significativo na base pré-paga no país, segundo a Anatel. Proporcionalmente, a presença de pré-pagas no universo total de linhas ativas caiu para 73,54%, a menor no país até hoje!

Atribuo essa queda a dois fenômenos: primeiro, o aumento da base M2M, de automação comercial. São as tais “maquininhas” de cartão de crédito e débito, sistemas de segurança, rastreadores, telemetria, etc. Segundo: o fim do “fenômeno multichip”, a nossa jabuticaba móvel. Lembro, lá pelos idos de 2008, 2009, a cara dos estrangeiros com quem eu conversava explicando por que cada brasileiro precisava de tantos chips de celular. Graças ao WhatsApp, essa escravidão está chegando ao fim. Não é à toa que as operadoras torcem o nariz.

O ano foi marcado por um recuo nas vendas de smartphones, graças à retração da economia. Segundo o IDC Brasil, de julho a setembro de 2015, 10.753 milhões de smarts foram comercializados, 25,5% a menos na comparação com o mesmo período do ano passado. Se somarmos ao número de “featurephones” (os celulares comuns), foram vendidos 11.710 milhões de aparelhos. Hoje em dia, featurephone vende pouco. O Brasil abraçou de vez os smartphones!

Entre os sistemas operacionais móveis, o Android continua sambando. Na base atual ativa de smartphones, o sistema do Google se faz presente em 89,5% do total de aparelhos. Em seguida vem o Windows Phone, com 5,9% e o iOS, com 3,5%. Notem que houve um acréscimo considerável na base de iPhones. Mas isso não tem necessariamente a ver com os lançamentos anuais: os números se referem à base estabelecida. Atribuo isso à longevidade do sistema operacional da Apple. A quantidade de aparelhos antigos em circulação, como o 4S, é enorme! Notem essa foto que fiz ontem, da vitrine de uma loja…

image

Internet móvel

Entre outubro de 2014 e outubro de 2015, o número de acessos à internet móvel pela rede 4G cresceu 308% no Brasil, atingindo 20,4 milhões de conexões, marcando presença em 359 municípios brasileiros. O tráfego maior continua, contudo, na tecnologia 3G, chega a 4.295 cidades. O número de conexões, contudo, se manteve estabilizado do ano passado pra cá.

Confirmando algo em que sempre acreditei, a verdadeira inclusão digital é móvel: 76% dos usuários de internet no Brasil acessam a rede por smartphones, e 63% do tempo online do brasileiro é em dispositivos móveis. Mas não necessariamente em 3G e 4G. O brasileiro prioriza seus acessos para quando há wifi disponível.

 

Aplicativos favoritos dos brasileiros

Achei muito interessantes as pesquisas recentes que mostram o uso de aplicativos no Brasil. Rankings de lojas de aplicativos não costumam significar utilização. Eu mesma testo muita coisa e apago logo em seguida. Falarei de 2 pesquisas especificamente, que se dirigiram diretamente às pessoas perguntando elas quais apps mais usam. Tais pesquisas repercutiram muito na mídia recentemente e ganharam inúmeras menções na web e nas redes sociais.

Uma delas, feita pelo site Mobile Time em parceria com o instituto Opinion Box, chamou minha atenção pelo fato do iOS, apesar de ter uma presença pequena no mercado, ter um papel importante na venda de apps: 46% dos usuários de iOS já pagou por um aplicativo, ante 18% e 19% respectivamente de usuários Android e Windows Phone.

Já o ranking dos 10 mais usados ficou assim:

Whatsapp (83,2%)
Facebook (72,3%)
Instagram (39,1%)
Messenger (33,7%)
YouTube (29,5%)
Gmail (20,7%)
Twitter (16,8%)
Skype (15,4%)
Chrome (14,7%)
Banco do Brasil (14,7%)

Como se chegou a esses números? Através de entrevistas, onde as pessoas deveriam pegar seus aparelhos e dizer quais aplicativos possuem em suas telas home, listando no máximo 20 apps. Como assim? Quando alguém baixa um app via Play Store, por exemplo, um ícone de atalho é colocado na home screen automaticamente. E se ela nunca tiver aberto esse app? Será que esse ranking reflete o universo dos “mais usados” realmente? Não sei…

Outra pesquisa, encabeçada pelo IBOPE em parceria com o site Conectaí, trouxe a seguinte lista:

WhatsApp (93%)
Facebook (79%)
YouTube (60%)
Instagram (37%)
Jogos (35%)
Mapas (19%)
Loja de aplicativos (17%)
Twitter (14%)
Skype (11%)
Bancos (10%)

A metodologia também foi um pouco estranha. Os números vieram de 2.000 voluntários que forneceram tais dados ao site Conectaí. Quem são? Como essas pessoas chegaram a esse site? A amostragem é adequada para representar o país? Também não sei…

 

Os apps que mais uso

Tais pesquisas me deixaram curiosa para saber quais apps eu pessoalmente uso mais. Será que bate com a média da população brasileira segundo as pesquisas?

Primeiro listei, de memória, os aplicativos que achava que usava mais. Depois, chequei no app Quality Time, que uso desde meados desse ano, se os números batiam com aquilo que eu achava.

Foi uma surpresa enorme. Errei feio!

O Quality Time lista os apps em ordem de tempo gasto ou quantidade de acionamentos. Acertei o campeão: o navegador, disparado. Acesso muitos sites de notícias e links que chegam via redes sociais, mas agregadores como Feedly e Pocket eu uso mais no tablet mesmo.

Depois, apps de comunicação. Confere. Aí veio a surpresa: simplesmente esqueci do Moovit, já que uso bastante transporte público e ele passa um bom tempo aberto no aparelho enquanto viajo. Também esqueci do Spotify e do PocketCasts. Mas eles ficam em segundo plano, ouço sempre fazendo outras coisas… andando a pé, de ônibus, na ginástica ou nas atividades domésticas.

Os apps de tarefas e calendário ficaram muito além dos 10 primeiros lugares, ao contrário do que esperava. Realmente, adicionar e conferir itens sem ser necessário acessar o app, já que uso widgets, toma pouquíssimo tempo. Só abro esses apps mesmo para adicionar coisas ou dar baixa em itens concluídos.

O Gerenciador de Tarefas (do Facebook) e o Instagram mal apareciam nos rankings. Pra mim é uma boa notícia: uso redes sociais sim, mas não ocupam parte considerável do meu tempo. A exceção é o Twitter, que amo: trata-se o principal canal de interação com meus leitores e fonte inesgotável de pautas e dicas que recebo diariamente.

Por tempo de uso, meu ranking ficou assim:

Opera
Telegram
Whatsapp
Moovit
Email
Twitter
Spotify
Pocket Casts
Skype
Evernote

Por frequência (quantidade de acessos), ficou assim:

Opera
Telegram
Twitter
Sunrise Calendar
Whatsapp
Evernote
Câmera
Email
App do Google
YouTube

Tenho uma curiosidade enorme em saber quais apps vocês usam mais! Compartilhem comigo aqui nos comentários.

Para sábado, há um post agendado só sobre navegadores móveis, tenho muita coisa interessante para contar. Enquanto isso, aos que comemoram a data, tenham um ótimo Natal!

____

Obs.: os dados usados como base deste post vieram dos seguintes institutos: Anatel, Opinion Box, Ibope, Telebrasil, IBGE, Pnad, TIC Domicílios, Kantar, ComScore, IDC, Nielsen.

Salvar/Compartilhar

4 Comments

  • Em 2015.12.24 16:51, Marcello Chagas disse:

    Os meus:

    Telegram
    Whatsapp
    Feedly
    Opera
    Wunderlist
    Tapatalk
    Operadora DDD
    Tweetcaster
    Deezer
    Maparadar
    Waze
    Gmail

    • Em 2015.12.29 02:02, Duda disse:

      Os meus:

      Facebook
      Google +
      Instagram
      Whatsapp
      Telegram
      Vade Mecum
      Google maps
      Google Chrome
      Waze
      Swarm

      • […] períodos pré-definidos do dia ou quando você dá uma exagerada. Foi graças a ele que fiz a minha lista dos apps mais usados em 2015. Só para Android por enquanto. Detalhes […]

        • Em 2016.03.05 10:34, Gabriel disse:

          PHP Programming Language
          Música
          MySQL Editor Pro
          ReportPlus
          Remote
          WordPress
          Safari
          WhatsApp
          Inbox
          FTPManager Free

          Desenvolvido por Agência WX