2 meses com o Redmi 2 Pro

A exemplo dos aparelhos Moto X Style e X Force, já resenhados aqui no blog, passei 2 meses com o Redmi 2 Pro e agora posso contar como foi o convívio com este smartphone.

Evidentemente, usei muito mais os 2 aparelhos da Motorola, que são topos de linha poderosos, suprindo perfeitamente as minhas (altas) exigências tecnológicas. Para o Redmi 2 Pro, foi preciso um outro olhar.

Creio que o Redmi 2 Pro tem tudo para ser o grande aparelho de entrada deste ano de 2016. Primeiro, porque a concorrência toda subiu os preços de aparelhos similares. A Xiaomi, todavia, decidiu segurar a onda a fim de ganhar mercado. O preço do aparelho, na loja online, continua o de 2015: R$ 700 à vista. Parcelando, vai a R$ 769,00. (lembrete: este review foi escrito em fevereiro de 2016)

Quem sai ganhando é o consumidor brasileiro, que além de pagar um bom preço por um aparelho de entrada, tem um hardware honesto, uma interface intuitiva e uma customização do Android competente, chamada “MiUI”.

No vídeo abaixo, mostro o aparelho, aponto os pontos fortes e fracos e exploro bastante a interface. Confira:

As configurações são aquelas que considero o mínimo para um Android decente hoje em dia: 2GB de RAM, 16GB de armazenamento, câmera traseira de 8MP e frontal de 2 MP, processador Snapdragon 410 64 bit, suporte a 2 SIM 4G. A tela é básica e pequena para os padrões de hoje: IPS com 4,7”. A bateria, de 2.200 mAh, comigo, não aguentou um dia de uso mais pesado. Eu usei mais o Telegram e o Spotify, e, com wifi, antes do fim do dia, ele já pediu água. No 4G, então, mal passou da hora do almoço! Decepcionante.

Para quem recomendo o Redmi 2 Pro?

Conforme expliquei no vídeo, o público deste aparelho são os seguintes tipos de usuários:

  • Iniciantes ou que usam os recursos mais básicos de um smartphone, como navegação, email e redes sociais. Desde que não fique o dia todo nisso, porque a bateria é insuficiente.
  • Quem curte aplicativos mais básicos, não jogam nem editam conteúdo audiovisual ou de trabalho.
  • Quem saiu de iPhones mais antigos e tem medo de não se acostumar com o Android.
  • Quem quer gastar o mínimo possível num smartphone, sem se frustrar com dispositivos antigos, lentos e limitados.

Não acredito que geeks e usuários mais exigentes se satisfaçam com as poucas possibilidades de customização e o hardware limitado do 2 Pro para tarefas mais pesadas. Mesmo assim, o aparelho pode ser uma opção interessante de dispositivo reserva. Tenho um amigo que vai muito a shows e morre de medo de levar o iPhone 6 Plus junto. Acabou comprando um Redmi 2 — aquele mais barato, que foi lançado antes deste 2 Pro. Ele contou que até gosta do aparelho, e seria uma opção legal para recomendar a familiares se não fossem os exíguos 8 GB de armazenamento. Felizmente o Redmi 2 Pro tem 16 GB, e eu enfatizo muito no blog e nas redes sociais: não comprem aparelhos abaixo dessa capacidade, mesmo que seu cartão de memória seja espaçoso.

Posts relacionados

Salvar/Compartilhar

8 Comments

  • Em 2016.02.18 08:21, Adolfo Brás disse:

    Olá Bia!!! Infelizmente não pude ver ainda o vídeo, mas gostaria de saber, em nível de comparação, qual aparelho você acha que é o mais interessante de modo geral: Redmi 2 Pro ou Quantum Go?

    • Em 2016.02.18 18:19, Bia Kunze disse:

      Eles se equivalem… O Redmi tem uma interface customizada amigável a leigos, o Quantum tem Android mais puro… a tela é maior e mais brilhante também, e o design é mais fino. Mas pelo custo-benefício, enquanto a Xiaomi segurar os preços, o Redmi ganha.

      • Em 2016.02.18 18:19, Bia Kunze disse:

        Eles se equivalem… O Redmi tem uma interface customizada amigável a leigos, o Quantum tem Android mais puro… a tela é maior e mais brilhante também, e o design é mais fino. Mas pelo custo-benefício, enquanto a Xiaomi segurar os preços, o Redmi ganha.

        • Em 2016.02.18 22:11, Stunts disse:

          Minha mãe tem um red pro 2… Achei o acabamento melhor q o quantum. O quantum tá no caminho certo, mas, se vc pegar ambos juntos, nota um cuidado melhor com o redmi. Sem contar a assistência técnica….. Eu iria de red mi pro 2 fácil. Meu pai tem o redmi2 e minha mãe o pro…. Nota-se a diferença e para eles, está PERFEITO. Já para mim, ficaria abaixo. Review perfeito, Bia!

          • Em 2016.02.20 02:02, Fernando Turatti disse:

            Olá, Bia, eu gostaria de saber se hoje realmente um aparelho com tais configurações é considerado fraco para jogos na plataforma android, visto que estou longe de ter um robozinho já a 3 anos, quando migrei para o WP e não sai mais.

            • Em 2016.02.20 08:36, Bia Kunze disse:

              Fernando, para jogos mais pesados, de ação, é sim.

              • Em 2016.04.12 10:24, Arnoldo Schiphorst disse:

                Só uma pequena correção, você falou que a interface MIUI é nova, e pelo que eu me lembro desde que eu tinha meu falecido Galaxy 5 (não é o S5) à uns 5 anos atrás eu instalei uma ROM customizada com o MIUI, só não gostei por causa que na época muitos textos da interface ainda estavam em chinês, mas no geral o MIUI é ótimo e não muito difícil de aprender.

                • Em 2016.12.19 05:48, Ricardo disse:

                  Tenho um Redmi 2 pro há cerca de 1 ano. O celular é bom de forma geral. O que pega mesmo é o GPS que perde o sinal a todo momento e, praticamente, inviabiliza o uso para navegação.

                  Desenvolvido por Agência WX