Resenha: 1 mês com o ZenWatch3

zenwatch3-3

Quem me acompanha aqui no blog e nas redes sociais sabe que até hoje não me dei muito bem com smartwatches. Primeiro, porque em boa parte são feios (incluindo o Apple Watch, desculpem) e muito grandes. Segundo, é um item a mais para carregar a bateria diariamente. Terceiro, a maioria deles é tão dependente de um smartphone que faz a gente se perguntar se não seria redundância andar com ambos por aí.

O ZenWatch3 mudou um pouco meu ponto de vista. Diferente dos outros relógios inteligentes que testei, como o Gear da Samsung e o Motorola 360 Sports, o aparelho da Asus é o primeiro que tenho gosto em usar todos os dias. Em um mês de uso, só tirei do braço na hora de tomar banho, ocasião em que aproveito para plugá-lo na tomada a fim de carregar a bateria. Graças à tecnologia de carregamento rápido, os cerca de 15 a 20 minutos que levo para tomar banho e secar o cabelo já são suficientes para chegar aos 100%! Fazendo isso todos os dias, a bateria não é um incômodo. Nestes 30 dias tenho usado para tudo: notificações, atividades físicas, contagem de passos e monitoramento de sono.

Mas o que me conquistou mesmo é a beleza. Não ficou bizarro em mim, pois não é excessivamente grande nem pesado para uma pessoa de pulso fino e mãos pequenas. E é uma tremenda evolução comparado ao antecessor quadrado, o ZenWatch2:

zenwatch-2-e-3

Talvez a maioria dos homens não tenha esse problema, mas enfim tenho aqui um smartwatch elegante, requintado, que posso usar com roupa social, esportiva e até com vestidos. Ele não destoa como os aparelhos com cara mais masculina ou emborrachados. Mais que isso: o ZenWatch3 dá um “up” daqueles no visual e é mais fashion até que o dispositivo da Apple! O modelo que recebi é o ouro rosa, com pulseira de couro, na minha opinião o mais feminino entre as 3 opções disponíveis — as outras são prata e Gunmetal.


zenwatch3-2

É possível trocar facilmente a pulseira do dia-a-dia. Além do couro há uma versão de silicone com várias opções de cores, caso você queira um visual mais esportivo ou não queira estragar o couro com suor. A terceira opção é de metal. Essas pulseiras ainda não chegaram no Brasil, mas certamente irei experimentá-las.

Para tornar o ZenWatch3 ativo e funcional, funcionando pareado com os apps do seu smartphone, basta instalar os apps do Android Wear e do ZenWatch. Para monitorar a saúde, é possível usar o ZenFit da própria Asus ou o Google Fit. Ambos conversam entre si, e como o Fit é compatível com dezenas de apps de saúde de terceiros, você tem um dispositivo com um bom leque de aplicações. Só fica devendo mesmo no GPS e no sensor de batimentos cardíacos. O ZenFit é básico: sincroniza com o relógio e fornece estatística de exercícios, passos, calorias e sono. Só pisou na bola na tradução para o português… doloroso ter que ler “paços” todo dia!

zenfit

O ZenWatch3 possui caixa de aço inoxidável 316L, algo muito importante para evitar desgastes precoces como vem acontecendo com o concorrente Gear S2 classic. A tela touch é AMOLED (fundamental para um dispositivo que será consultado o tempo todo sob luz natural) recoberta por Gorilla Glass 3 2.5D, com resolução de 400 x 400 pixels e ótima densidade: 287 pixels por polegada. Por ter resistência a água e proteção contra poeira (certificação IP67) usei tranquilamente sob as mais diversas circunstâncias, inclusive lavando louça e andando em estrada de terra. Mas não é um aparelho para mergulhar na psicina. Seu processador é Snapdragon Wear 2100, a RAM é de 512 MB, o espaço de armazenamento é 4 GB e a bateria é de 340 mAh.

Possui 3 botões na lateral: um principal, no meio, para ativar a tela e navegar entre as configurações. O inferior para ativar o modo de economia de bateria (bom para quem está a 10% e longe de uma tomada) e o superior customizável, para acionar o que você quiser a um toque. Eu deixei o ZenFit por padrão, já que é o recurso que mais uso.

zenwatch3-4

Falando em recursos, há um bem curioso, que funciona através de um app chamado Zenwatch Remote Camera, que deve ser previamente instalado em seu relógio. É uma espécie de controle remoto para a câmera do seu smartphone.

Além dos apps ZenWatch Manager para gerenciamento, ZenFit para atividades físicas, e do Remote Camera, a Asus disponibiliza na Play Store o FaceDesigner, para quem quiser criar seus próprios paineis ou temas. Mas não achei necessário… os temas que vem nele são um mais lindo que o outro!

20161027_121433

A performance é ótima: navega-se entre os menus com boa velocidade, o touch é fluido e a bateria é razoável, dá conta do recado para um dia inteiro de uso — comparando-se a outros dispositivos Android Wear, lógico. Porém o acelerômetro é irregular. Ao girar o pulso em ambientes fechados e comigo sentada, ele é ágil a tela liga rapidamente. Quando saio para a rua, e ao me movimentar, ele parece ser mais lento. O sensor de luz também demorou um pouco para entender que eu saí para um ambiente aberto e que deveria deixar a iluminação mais forte.

Mas acho que o ponto mais baixo é mesmo o sistema operacional. Pessoalmente, ainda prefiro o Tizen ao Android Wear. O sistema da Samsung é mais robusto e menos dependente de um smartphone pareado o tempo todo por bluetooth. Mas o que me deixa mesmo insegura com o Wear é o Google ter adiado a atualização só para 2017, e sequer sabemos se os aparelhos atuais estarão aptos a recebê-lo! É um aparelho bacana para estilo e dia-a-dia.

O ZenWatch3 está disponível na loja da Asus por R$ 1.999,00 e por enquanto apenas a versão Gunmetal, ou preto fosco — esta da foto abaixo. Para os loucos por relógios, que resistiam a usar um modelo conectado pela falta de estilo, é uma excelente opção — caso o porquinho esteja recheado…

zenwatch-preto

Veredito:

Pontos fortes: beleza; bateria de recarga rápida; troca de pulseiras
Pontos fracos: falta de GPS e sensor de batimentos; Android Wear; preço
Para quem recomendo? Para quem quer ser um pouco mais ativo e conectado no dia-a-dia mas deseja um dispositivo que não o deixe com pinta de nerd. Esportistas vão gostar mais dos modelos com GPS ou sistemas mais completos como os Garmin. Os geeks, por sua vez, talvez prefiram o Pebble, com seu OS próprio, que conecta com tudo e tem bateria highlander de 1 semana.

Fiz um vídeo no Periscope mostrando ele em ação, além de sua bela caixa e o carregador magnético. Assista aqui e aproveite para me seguir e receber avisos de novos vídeos.

Continuarei usando o bichinho no dia-a-dia. Sigam-me no Twitter ou no meu canal do Telegram para acompanhar minhas impressões ao longo dos próximos meses. Confira na galeria abaixo mais algumas fotos!

Posts relacionados

Salvar/Compartilhar

2 Comments

  • Em 2016.11.25 00:08, Pedro Costa disse:

    Bia, o conteúdo daqui é ótimo. Mas vale dar uma atualizada no layout do blog.
    Entro nele e parece que estou em 2006.
    Bom fim de semana.

    • Em 2016.11.25 08:01, Bia Kunze disse:

      Sim. É top prioridade para 2017. Nos últimos tempos a saúde debilitada tomou 100% do meu tempo, infelizmente. Espero que as coisas melhorem daqui pra frente.

      (Required)
      (Required, will not be published)